Revista: Nº 83 – 2013

Categoria: Revista

Data da Revista: 2013-03-30

Agora também pode ver a nossa revista online!!!
https://issuu.com/alimentacao_animal/docs/rev_aa

Indíce

  • Editorial
  • Tema de Capa
  • Bem-Estar Animal
  • Biotecnologia
  • Investigação
  • SFPM
  • Fernando Anjos
  • Notícias das Empresas

Editorial

O tema desta edição da AA é o Bem-Estar Animal, expressão que corporiza um vasto conjunto de conceitos e princípios gerais, normas legislativas comunitárias e alterações nos sistemas de produção pecuária intensiva ao nível da UE. Na prática, olhando para os efeitos mais imediatos, estamos a pensar nos investimentos de adaptação das instalações de produção, sobretudo nos últimos dois anos, e relacionados com as alterações das gaiolas das galinhas poedeiras e nas porcas em grupo.

Ao longo desta Revista encontrarão as mais variadas opiniões, comentários e preocupações quanto a este assunto. De todos, se concluirá que ninguém coloca em causa o princípio geral. A melhoria das condições de confinamento dos animais e um maneio tecnicamente adequado, parecem permitir ganhos de eficiência e de diminuição dos custos relacionados com a sanidade dos efectivos pecuários, que ultrapassam os custos do investimento necessário para as adaptações conformes à nova legislação.

Pode-se pôr em causa a oportunidade do investimento. Mas convém não esquecer que estamos a falar de legislação publicada há mais de dez anos e que inúmeros trabalhos foram publicados sobre este assunto e inúmeras experiências foram feitas, demonstrando os caminhos mais eficientes para a sua concretização. Ou seja, não faltou tempo de análise nem tempo de execução.

O que verdadeiramente faltou foram apoios dirigidos à modernização destas actividades e o entendimento pela Administração Pública do seu carácter estratégico. Se isso tivesse acontecido, a situação destes sectores em Portugal estaria hoje muito mais equilibrada.

Talvez, agora, estes sectores sejam melhor compreendidos e, esperamos, mais apoiados. A progressiva atenção e interesse do MAMAOT por esta área de actividade e as iniciativas que se tem vindo a tomar, como a PARCA, o Interprofissional do Porco e a ´´Plataforma Peço Português´´, terão de ser o princípio de uma valorização cada vez maior dos produtos pecuários nacionais e determinar um maior equilíbrio negocial com as estruturas da distribuição. Sem esse equilíbrio todos sofrerão: a Produção, a Indústria, o Comércio e os Consumidores que, no fundo, somos todos nós, ou seja, o País.

A terminar, uma palavra de saudade para o Dr. Fernando Anjos, que nos deixou de uma forma demasiado rápida. Fez e fará parte da história desta Associação, como técnico, director e consultor e, com muitos outros, ajudou a criar o perfil de rigor, de seriedade e de competência que é o apanágio da IACA. Encontrarão, nesta Revista, um variado conjunto de textos em sua memória.

José Filipe R. Santos