O primeiro-ministro António Costa, em Bruxelas para reuniões bilaterais e para participar na reunião do Conselho Europeu, deu nota, no final dos trabalhos de hoje, de ter chamado a atenção dos seus pares para a “urgência de estabelecer em toda a plenitude o mercado interno”.

Nomeadamente “pondo fim às medidas de derrogação que têm existido na livre circulação de mercadorias e também de eliminar as barreiras que ainda existem no mercado interno de serviços”, detalhou.

No debate de hoje, o foco recaiu ainda sob a importância do mercado interno e da recuperação económica aproveitar todas as potencialidades da transição digital. Esta será uma das prioridades da presidência portuguesa, assegurou Costa, frisando que será associada ao desenvolvimento do pilar social da União Europeia.

“O pilar social deve ser visto também como uma forma de reforçar a confiança de todos face aos desafios que nos são colocados pelas transições climáticas e digital”, ressalvou.

Costa adiantou ainda que foi feito um ponto de situação sobre as negociações do Brexit e sobre as conversações com o Parlamento Europeu para a aprovação final do programa de apoio à crise e para o próximo Quadro Financeiro Plurianual.

Costa afirmou que sai deste Conselho Europeu a acompanhar o otimismo com que o presidente do Parlamento Europeu marcou a sua posição, bem como a chanceler Angela Merkel, acreditando que vai ser possível ultrapassar as divergências “e convergir para um acordo que permita a aprovação rápida deste pacote no Parlamento Europeu, de forma a pudermos enfrentar esta crise na sua dimensão económica e social”, concluiu.

Fonte: SAPO