No primeiro semestre a Auchan comprou 3.690 toneladas a fornecedores nacionais. Frutas e legumes tem o maior peso, mas a maior subida foi no Peixe.

A Auchan comprou até junho 3.690 toneladas toneladas de produtos a fornecedores nacionais até junho, valor que representa uma subida de 21,2% em relação aos primeiros seis meses do ano passado. Um reforço das compras da cadeia de retalho alimentar em época de pandemia, depois de no ano passado já ter aumentado em 13,2%, para 6.251 toneladas de produtos as compras a fornecedores locais.

“A aposta da Auchan na valorização do que é nacional, e sobretudo do que é local, não é de agora. O contexto da pandemia deu origem a um movimento solidário em torno dos produtores nacionais, e a nossa relação com os produtores nacionais, e sobretudo com os pequenos produtores, naturalmente também se intensificou, mas a aposta na produção nacional é uma das prioridades e é uma militância da Auchan há mais de 25 anos”, afirma fonte oficial do retalhista alimentar.

“Atualmente, quase 90% das nossas compras são feitas a fornecedores nacionais e a maioria dos nossos produtos frescos são portugueses. Trabalhamos com cerca de 100 produtores locais – pequenos produtores, que entregam loja a loja, e estão localizados num raio de proximidade local de 50 km dos pontos de venda – que produzem mais de 700 dos artigos que comercializamos nas nossas lojas”, destaca a mesma fonte.

Com o eclodir da pandemia do novo coronavírus o Governo fez um apelo junto do sector da grande distribuição para servirem de canal de escoamento para os pequenos produtores que, prestes a chegar à Páscoa, viram encerrar o Horeca vendo-lhes um importante canal de vendas.

As cadeias acabaram por reforçar as compras na produção nacional, tendo arrancado inclusive com campanhas de apoio à produção nacional, num momento em que os consumidores assumem que a origem portuguesa dos produtos é importante nas suas decisões de compra.

E a Auchan não ficou alheia a esta tendência. “No mercado Queijaria & Charcutaria, em colaboração com o Ministério da Agricultura, a Auchan reforçou as compras aos parceiros, iniciou uma parceria comercial com cinco novos fornecedores e referenciou 15 novos artigos”, informa fonte oficial da companhia.

Mas não só. “Em 2019, a Auchan comprou 6.251 toneladas de produtos a fornecedores locais, o que representa um aumento de 13,2% em relação a 2018. Já entre janeiro e junho de 2020, foram compradas 3.690 toneladas, o que representa um crescimento de 21,2% face ao ano anterior.”

O que compraram?

Uma das grandes apostas têm sido as frutas e verduras. A Auchan tem já parcerias comerciais com mais de 30 produtores locais de frutas e verduras, de todo o País, com entrega direta nas lojas, e com um total de referências superior a 120. Nas lojas do Algarve, por exemplo, a cadeia conta com as entregas diretas de um parceiro local que produz frutos tropicais: banana, manga, papaia, mamão, anona, abacate (artigos por norma importados do hemisfério sul).

“O mercado dos frescos tem sido a grande aposta da Auchan. Neste sentido, estamos a atuar em seis grandes frentes: na formação, na qualidade; na experiência de compra; no controlo da produção, no conhecimento dos produtos e na entrega de valor ao cliente. Dentro dos produtos nacionais, os frescos são também os mais relevantes em termos de faturação e, até final de junho, representavam 4,9% do total da faturação, o que significa um aumento de 1,2% face a 2019, e comprova a excelente recetividade por parte dos consumidores nacionais”, revela fonte oficial da cadeia.

Até final de junho, foram compradas 3.089 toneladas de frutas e verduras a produtores locais, ou seja, uma subida de 21,4% em relação a igual período do ano passado.

Um aumento das compras que também se estendeu à carne e peixe. No que toca ao talho, o peso dos produtores nacionais é relevante, com a carne fresca de suíno e o frango fresco a ser 100% oriunda de produção nacional (exceto congelados) e, na categoria Bovino superior, a produção nacional a representar 85% das compras da cadeia. No primeiro semestre compraram mais 41,1% de toneladas de carne a fornecedores nacionais, para um total de 209 toneladas.

Mas foi o Peixe a categoria com o maior aumento percentual: 919,6%. Nesta categoria a cadeia multiplicou por 10 a compra nas lotas locais de norte a sul do País (Póvoa do Varzim e Algarve) e também nos Açores. “Mais de 50% do peixe fresco proveniente do mar é comprado à Doca Pesca”, refere fonte oficial.

Até ao final de junho, compraram 46,8 toneladas de peixe a fornecedores nacionais, o que significa um aumento de 919,6% face a 2019.

Entre os produtos nacionais que registam maior volume de vendas estão o peixe e os moluscos frescos, as carnes picadas, as salsichas e espetadas, os queijos, os morangos e pêssegos, as hortícolas, aromáticas, a batata, o pimento e os biscoitos e bolachas.

Fonte: dinheiro vivo