Durante a Comissão de Agricultura e Mar, a ministra da Agricultura realçou que os agricultores receberam, até à data, 355 milhões de euros no âmbito da Política Agrícola Comum. No próximo semestre irão beneficiar de 782 milhões de euros em antecipações.

Estes fundos monetários foram divididos entre os programas de desenvolvimento rural do continente e ilhas, com o objetivo de fazer face à pandemia da Covid-19.

No âmbito da PAC, «os agricultores já receberam, à data de hoje, 355 milhões de euros […] entre o PDR [Programa de Desenvolvimento Rural], Prorural [Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma dos Açores] e Proderam [Programa de Desenvolvimento Rural da Região Autónoma da Madeira]», afirmou a ministra da Agricultura.

Em resposta aos deputados, Maria do Céu Albuquerque vincou que, neste momento, «é muito importante» dar cenários de estabilidade e previsibilidade aos agricultores.

Neste sentido, avançou que o setor vai receber, no próximo semestre, 782 milhões de euros em antecipações, investimento no âmbito do PDR, linhas de crédito e pedido único 2020. «É neste cenário que nos encontramos a trabalhar para garantir que, do ponto de vista da PAC, estes valores chegam à tesouraria das nossas empresas para que consigam cumprir os seus objetivos».

Portugal poderá ter 875 milhões de euros para desenvolvimento rural no próximo quadro financeiro

«O Quadro Financeiro Plurianual está ainda em negociações e a última proposta, apresentada pela Comissão Europeia, apresenta mais 7,4%, ou seja, um reforço de 24 milhões de euros, a preços constantes para a PAC , apresentando um envelope a aplicar em três anos com um suplemento de 15 mil milhões de euros, para todos os Estados-membros, alocados ao desenvolvimento rural», indicou Maria do Céu Albuquerque.

Conforme explicou a governante, esta proposta, que poderá receber, brevemente, ‘luz verde’, implicará a atribuição de 875 milhões de euros, a preços constantes, a aplicar no desenvolvimento rural.

Assim, caso a proposta se mantenha, a PAC irá ganhar mais 542 milhões de euros, uma subida de quase 6%. «Desde o primeiro dia que há pontos que, para nós, são fundamentais e dos quais não abrimos mão, como manter o orçamento nominal da PAC», apontou a governante.

Fonte: Agronegócios