Depois do serviço Criar Loja Online, os CTT e o Ministério da Economia lançaram um novo serviço para ajudar os produtores locais e pequenos comerciantes a venderem através da internet.

Os CTT e o Ministério da Economia e Transição Digital anunciaram o lançamento do serviço CTT Comércio Local, que “facilita a presença” digital dos comerciantes locais e pequenos produtores. A iniciativa surge depois de ter sido lançado o serviço Criar Loja Online, que permitiu a centenas de pequenas e médias empresas criarem uma loja virtual em plena pandemia, fomentando o comércio eletrónico num período de confinamento.

“Esta aplicação CTT Comércio Local é uma oferta inovadora que permite que os produtores locais e pequenos comerciantes, que tradicionalmente têm apenas atividade física, passem a ter uma plataforma eletrónica onde podem vender os seus produtos, através de uma aplicação, gerando negócio através do comércio eletrónico. Este serviço ajuda a promover a sustentabilidade do tecido empresarial nacional”, garante a empresa postal, em comunicado.

Nesta primeira fase, segundo os CTT, o serviço está a ser lançado com a Câmara Municipal de Viseu e com a Câmara Municipal de Caldas da Rainha. Contudo, a ideia é que seja “alargada a mais municípios, em todo o país, nas próximas semanas”. “Inicia-se agora a fase de registo e preparação dos comerciantes aderentes, sendo que nos próximos dias a aplicação digital que suporta o serviço será disponibilizada a todos os consumidores finais em versão iOS e Android”, remata a companhia liderada por João Bento.

Como funciona?

A intenção dos CTT é fornecer a aplicação às autarquias que, por sua vez, a disponibilizam aos comerciantes e produtores locais interessados, “que passam a ter os produtos das suas lojas disponíveis nesta aplicação”, numa espécie de Marketplace digital. “O consumidor poderá, através do telemóvel e tendo em conta a sua localização, ver que comerciantes e produtores da região estão presentes na aplicação, entrar em cada uma das lojas, efetuar as compras e pagar através de MB Way, cartão de crédito ou cartão de débito”, explica a empresa.

Naturalmente, os CTT ficam a cargo de entregar as encomendas, pelo que esta é mais uma medida que faz parte da estratégia de adaptação da cotada nacional à queda do correio nesta fase da pandemia. A empresa tem vindo a lançar novos serviços focados no digital e, como revelou João Bento numa conferência na semana passada, a empresa está a registar um volume de encomendas superior ao do Natal passado, ou mesmo da Black Friday de 2019.

Fonte: ECO