Os cientistas especulam que os três recipientes encontrados em campas de crianças, um num cemitério da Idade do Ferro e os outros numa necrópole da Idade do Bronze, fossem utilizados para alimentar leite animal às crianças e ajudar no processo de desmame do leite materno.

Os três objetos foram encontrados na Bavaria, na Alemanha, em campas infantis de cemitérios datados de 450 a 1200 AC, e vão ao encontro de outros já encontrados no passado: pequenos vasos em barro, por vezes a imitar formas de animais, com diâmetros entre os 5 e os 10 centímetros e uma boquilha estreita.

O que os torna especiais é que, ao contrário de todos os outros já encontrados, estes vasos possuem um formato aberto em cima que permitiu analisar o conteúdo do seu interior – sem que fosse necessário destruir as peças.

Os cientistas sempre acreditaram que estes vasos fossem usados como biberão para crianças, ou para alimentar os doentes, e a análise suporta uma destas teorias: ao terem sido encontrados vestígios de leite animal, os investigadores acreditam agora que os três vasos eram, de facto, biberões pré-históricos.

De acordo com o estudo publicado na revista científica Nature, os vestígios continham ácido palmítico e ácido esteárico, dois ácidos gordos saturados presentes na gordura do leite animal, assim como vários ácidos gordos voláteis raramente detetados em peças de olaria antiga.

Os investigadores acreditam que o leite fosse derivado de gado domesticado, como ovelhas ou cabras. Uma análise isotópica permitiu ainda perceber que foi misturado leite materno ao leite dos animais. Desta forma, a equipa concluiu que não só os vasos eram usados como biberão, mas seriam provavelmente usados para fazer o desmame do leite materno.

“Estes vasos muito pequenos e sugestivos fornecem-nos informações valiosas sobre a alimentação dos bebés há milhares de anos, permitindo uma forte conexão com as mães e as crianças do passado”, disse Julie Dunne, geoquímica da Universidade de Bristol, no Reino Unido, e principal autora do estudo.

“Recipientes semelhantes, embora raros, aparecem noutras culturas pré-históricas (como Roma e a Grécia antiga) de todo o mundo. Idealmente, gostaríamos de realizar um estudo geográfico maior e investigar se serviam o mesmo propósito”, acrescenta.

A maior parte da informação histórica referente ao processo de desmame do leite materno foi, até hoje, retirada dos restos mortais de crianças de diversas épocas. A análise realizada pela equipa de cientistas permite assim, ter uma nova perspetiva sobre o tema.

Fonte: Revista Visão / Anilact