Objetivos e Próximas Etapas

Após 4 reuniões a estrutura do “Projeto Qualiaca” foi definida, assentado nos seguintes pressupostos:

  • Controlo de matérias-primas (bagaço e casca de soja, milho e derivados, trigo, bagaço de palmiste e colza e derivados) proveniente de países terceiros, ao nível dos principais portos aduaneiros (Lisboa, Leixões e Aveiro);
  • Projeto desenvolvido em colaboração com a Direção Geral de Alimentação e Veterinária, após elaboração de um protocolo de colaboração e de um plano de procedimentos em caso de não conformidades;
  • Controlo relativamente às principais substâncias indesejáveis legisladas (aflatoxinas B1, pesticidas e metais pesados) e salmonela;
  • Contratação de laboratórios acreditados preferencialmente nacionais (capacidade de resposta muito rápida como critério de escolha/exclusão);
  • Realização de testes rápidos a aflatoxinas (resultados em menos de 24 horas) para maior confiança na segurança do produto e identificar potenciais contaminações atempadamente. O método em questão tem, no entanto de apresentar elevada fiabilidade. Esta análise rápida não inviabiliza a realização da análise pelo método oficial/acreditado para confirmação do resultado e satisfação das exigências legais. Quer num caso, quer no outro a análise será efetuada na amostra final;
  • Libertação das matérias-primas após a descarga dos barcos;
  • Resultados analíticos descarregados numa plataforma web associada ao sítio da IACA, onde aderentes ao “Projeto” terão uma palavra-chave de acesso;
  • Plataforma gerida pela IACA.

Dos pontos acima indicados importa referir que algumas medidas foram já tomadas no sentido do seu desenvolvimento, nomeadamente a colaboração com a DGAV. Existe por parte desta entidade um empenho nesta colaboração mostrando-se bastante sensível à necessidade do desenvolvimento deste “Projeto”, credibilizando-o e tendo inclusivamente indicado a possibilidade de ser emitido um certificado de qualidade às matérias-primas controladas neste âmbito.

No início do ano de 2014 estão já previstos os trabalhos para a elaboração do protocolo de colaboração com a DGAV e a atualização do manual de procedimentos em caso de não conformidade, que esta instituição já possui, mas que necessita de ser atualizado e adaptado a este Projeto.

A IACA no âmbito de algumas parcerias que tem vindo a desenvolver em projetos com grupos operacionais tem procurado incluir este “Projeto” tendo em conta a importância da qualidade das matérias-primas para a alimentação animal e consequentemente para toda a fileira da produção animal.

Numa fase posterior de desenvolvimento do “Projeto Qualiaca” prevê-se o seu alargamento às extratoras de óleos vegetais, para controlo de bagaços de oleaginosas.

Importa ainda referir que esta iniciativa tem uma importância fulcral não só para a Indústria de alimentos compostos nacional, mas também Europeia, tendo um forte apoio da FEFAC (Federação das Associações dos industriais de alimentos compostos para animais).

Também a nível nacional é fortemente apoiado pela Secretaria de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar, assumindo um papel fundamental na melhoria da qualidade de toda a cadeia agroalimentar, do “Prado ao Prato”.

Os resultados dos controlos complementares realizados no âmbito do protocolo Qualiaca estão disponíveis no site da DGAV (final da página).